Netflix quer os direitos de transmissão da F1 nos EUA

Categoria pode ser primeira incursão da plataforma de streaming nos esportes ao vivo

junho 6, 2022

A Netflix pode estar na briga pelos direitos de transmissão da Fórmula 1 no mercado americano para 2023. A plataforma de streaming teria como concorrentes a atual detentora, a Disney, além da NBC e Amazon.

Segundo o Business Insider, a Netflix acredita que os direitos da principal categoria de automobilismo do mundo é mais “barato” que pensar em concorrer pelos jogos da NFL e NBA. Além disso, a F1 forneceria as bases para o lançamento de uma assinatura com suporte de publicidade da Netflix, que deve chegar ao mercado no final de 2022.

Neste momento, a NBC e Amazon podem não ter tanta força na concorrência, restando para a Netflix rivalizar com a Disney, detentora dos direitos nos últimos cinco anos.

“Sentimos que temos um pacote de distribuição e apresentação de eventos que não pode ser igualado na indústria, e o crescimento de audiência e exposição que eles [F1] receberam desde o retorno às plataformas da ESPN em 2018 reflete o que podemos fazer por eles. Tem sido uma relação mutuamente benéfica. Compreensivelmente, eles estão olhando para outras opções, mas tivemos reuniões muito boas com eles em Miami recentemente e estamos em constante comunicação”, disse John Suchenski, diretor de programação e aquisições da ESPN.

A plataforma de streaming tem como grande aliada o interesse de sua base de assinantes em “Drive to Survive”, que detalha os bastidores da Fórmula 1 e que foi lançada em 2019. A série é um dos principais pilares do aumento do interesse do americano na categoria nos últimos anos. No dia 8 de maio, a estreia do GP de Miami foi responsável pela maior audiência ao vivo da F1 na história da TV americana: 2.6 milhões de telespectadores em média e pico de 2,9 milhões de pessoas simultaneamente na ABC.

De acordo com o Business Insider, a oferta da Disney para continuar com os direitos foi de cerca de US$ 70 milhões, abaixo dos US$ 100 milhões que a Fórmula 1 espera por um novo ciclo.

O MKTEsportivo detalha constantemente sobre a possibilidade da Netflix de entrar no mercado de transmissão ao vivo. Recentemente, abordamos o que realmente falta para que este investimento comece.

Vale lembrar que o outro co-CEO da empresa, Reed Hastings, já havia dito ao jornal alemão Der Spiegel que consideraria comprar os direitos da F1, mas que também seria necessário ter cautela ao realizar esse nível de investimento.

A Netflix registrou lucro líquido de US$ 1.59 bilhão no primeiro trimestre de 2022, queda de 6.4% em relação ao mesmo período do ano passado. Sua receita cresceu 9.8% na comparação com 2020, alcançando US$ 7.86 bilhões. Por fim, a plataforma de streaming perdeu 200 mil assinantes entre janeiro e março deste ano.